Mulheres no poder

21 06 2009

Bem sei que não escrevo há muito e que este tema não é digno de alguém que quase não escreve, podendo mesmo ser entendido como uma forma dessimulada de um certo tipo de taradismo, mas quem me poderá condenar de ficar espantado com ter esta mulher (Mara Carfagna) como ministra de um país da União Europeia?

mara_carfagna

mara_carfagna_2

Nós por cá também temos estes exemplos de igualdade de género. A considerada octagésima nona mulher mais poderosa do mundo:

Luisa_Diogo,_World_Economic_Forum_Annual_Meeting_2009_1





Da Costa Rica para o Mundo…

3 05 2009

Pois é…. depois de Nampula … São José (Santa Ana), Costa Rica. Um salto de 40 horas….

Mas antes de falar da Costa Rica, algo que falarei num futuro, vou falar do Panamá.

Para mim Panamá era o país do canal e a bandeira engraçada que todos os barcos que entravam no rio tejo tinham (agora sei que é para passarem o canal com um desconto enorme).

Mas a música, a cozinha e os panamenhos fazem deste país mais do que um canal. Patacones com rés, rum e uma boa bachata é tudo o que os panamenhos precisam para bailar e divertir-se à grande …

Apesar disso o canal fez este país do jeito que é: devido às condições ambientais adversas aquando da construção do canal, em que chineses e franceses não aguentaram devido a malária, serpentes e coisas tropicais do género, os americanos (sempre eles) com a preciosa ajuda de escravos (prisioneiros) vindos da jamaica deram ao Panamá características únicas. Assim, enquanto que a cidade do Panamá é uma metrópole de nível mundial com arranha-céus bem ao estilo americano, a forma de estar do Panamenho é completamente africana. E como sempre, sempre que existem duas sociedades separadas socialmente falando, também temos duas sociedades opostas, economicamente falando.

E infelizmente o Panamá também é isso… um mundo de extremos.

Mas não vos quero chatear com as minhas análises chatas, e sim convidar-vos a ouvir bachata, comer uns patacones e a bailar um vallenato acompanhado de uma panamenha.

Deixo-vos com a imagem da ponte que tive de atravessar com a minha mala… esta é a fronteira entre a costa rica e o panamá.

Um abraço.

Fronteira Sixaola





Maputo – Um outro Moçambique

13 04 2009

Começo as minhas crónicas neste blog falando-vos precisamente da cidade onde estou a viver neste momento: Nampula.

A terceira maior cidade de Moçambique, talvez a segunda em termos de poder económico, no entanto tão distante de Maputo. Já tinha sido avisado da desproporção que existe entre Moçambique-Maputo e Moçambique; de facto é incrivel a diferença entre estas duas cidades.

Sente-se que a cidade foi vetada ao esquecimento e que agora, após anos de decadência, está a começar a ressuscitar, mas ao ritmo Nampulense…

Poder-se-á dizer que Nampula é Maputo há dez/quinze anos atrás … a ressurgir de um isolamento total e a começar a ter infra-estruturas que permitiram Maputo evoluir até ao que chegou hoje. Pois bem, Nampula está aí.

Mas além das coisas más que o atraso no tempo traz, também as coisas boas do “antigamente” estão cá: a segurança, a calma, tudo gente amiga e o ambiente saudável dos fins de semana no quintal/quinta de alguém … tudo isso ainda está cá.

Como alguém disse : transformar os aspectos negativos em oportunidades …  acho que é o caso.

Deixo-vos a imagem do monumento que mais me impressionou em Nampula: a Catedral.





Olá Mundo!

6 02 2009

Bem vindo ao Afenal. Este site vai servir para eu colocar aquilo que eu quiser com a cadência que me for possível. Um abraço a todos.